JUDEUS LATINO-AMERICANOS CONDENAM A “LEI DE NACIONALIDADE”
QUE ATENTA CONTRA OS FUNDAMENTOS DEMOCRÁTICOS DE ISRAEL
E A INTEGRIDADE DO POVO JUDEU


No mês de agosto lançamos a campanha de assinaturas que serão publicadas em 10 de dezembro de 2018, dia em que se comemoram os 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos.
Até agora já recolhemos mais de 400 assinaturas.

Convidamos você a participar dessa campanha, que une nossa voz às de outros movimentos de judeus na América do Norte, Europa, África do Sul e Oceania. Confiamos que com a força da Diáspora possamos influenciar o destino de Israel e do judaismo.
Clique aqui para ler a Carta e ver quem assinou. Junte-se a nós com sua assinatura

A cada dia publicaremos 18 novas assinaturas, até 10 de dezembro.

  • Bernardo Feldman, mexicano, diretor do Departamento de Música no College of the Canyons, Santa Clarita, California, EUA 
  • Claudio Lomnitz, antropólogo, Cidade do México
  • Daniel Goldin Halfon, editor e bibliotecário/Biblioteca Vasconcelos, Cidade do México
  • Daniel Muchnik, jornalista, escritor e historiador, Buenos Aires, Argentina
  • Edward (Edy) Kaufman, argentino, ex-professor da Universidade Hebraica de Jerusalém (UHJ) e da Universidade da California (UCLA); foi membro da Anistia Internacional e diretor do Instituto Truman para a Paz da UHJ. Atualmente, é professor da Universidade de Maryland.  Israel. 
  • Elías Salgado, escritor. pesquisador e editor. Diretor-editor da revista e blog Amazônia Judaica, Rio de Janeiro, Brasil
  • Esther Shabot Askenazi, Jornalista do Excélsior, Cidade do México
  • Felisa Chalcoff, psicóloga, diretora do Programa de Saúde do Hospital Pirovano, foi inspetora Vaad Hachinuch, Buenos Aires, Argentina
  • Horacio Lutzky, advogado, escritor e jornalista. Ex-director do jornal “Nueva Sión”. Autor de três livros sobre os atentados à Embaixada de Israel e da AMIA, Argentina
  • Isabel Carmi Trajber, ativista por direitos humanos e causa indígena. Dourados, Mato Grosso, Brasil
  • Jayme Fucs Bar, brasileiro, rabino secular, Kibbutz Nachshon, Israel
  • Jose Mauricio Adaszko, ex vice-presidente da AMIA, Argentina
  • Leonardo Cohen Shabot, mexicano, professor da Universidade Ben Gurion do Neguev, Israel
  • Mauricio Zieleniec, diretor do Judaísmo Secular, Uruguai
  • Pablo Cúneo, psicólogo, Uruguai
  • Renata Wilner, docente pesquisadora em Artes Visuais da Universidade Federal de Pernambuco, Nordeste, Brasil
  • Sally Bendersky, autor, engenheira, coach de liderança, Santiago, Chile
  • Shlomo Slutzky, argentino, jornalista e documentarista, Israel.
  • Shulamith Goldsmit y Brindis, fundadora e coordenadora do Programa de Cultura Judaica da Universidade Iberoamericana, Tecamachalco, México

 

  Esta campanha é uma iniciativa da J-AmLat, movimento integrado por judeus de origem latino-americana, comprometidos com o destino de Israel e das comunidades judaicas em toda a América Latina, preocupados com a continuidade do conflito israel-palestino e por sua influência na democracia israelense e sobre os judeus nos demais países. Nossa missão é defender os direitos e a liberdade de expressão dos seres humanos em geral e dos judeus latino-americanos em particular. Em relação ao conflito israelense-palestino, defender o direito de existência do Estado de Israel, assim como a auto-determinação nacional do povo palestino. Da mesma forma, estamos comprometidos com uma visão humanista do judaísmo, reafirmando o direito de todo judeu expressar sua voz da mesma forma, tanto dentro de sua comunidade, como em Israel.